Ego limitante? Dois jeitos simples de se livrar (o #1 é poderoso)

Ego limitante? Dois jeitos simples de se livrar (o #1 é poderoso)

with Nenhum comentário

Mecânico e Repetitivo, Eu? Você já se pegou fazendo a pergunta acima? Será que eu sou assim? (mesmo/também?)

Para muitas pessoas submeter-se ao Ego Limitante, apresentando as mesmas reações a situações semelhantes é um perigoso hábito tão comum quanto falar ao celular enquanto dirige.

Segundo Willian James “Nosso maior desafio é a escolha dos pensamentos certos” afinal, qualquer atitude é precedida de um pensamento.

Este artigo aborda a maneira como nos submetemos, de forma recorrente e automática, ao nosso padrão vicioso de comportamento.

ÍNDICE DE CONTEÚDO

Continue lendo para saber mais sobre como reassumir as rédeas da Sua Vida:

 

Desejos, Frustrações e suas consequências

 

Muitas vezes você não se dá conta que a ansiedade, a inquietude mental e a irritabilidade que assolam sua mente são consequências dos desconfortos emocionais que se acumulam cotidianamente.

Como foi você se sentir frustrado(a) por não conseguir se comunicar melhor? Como é se sentir frustrado(a) por não se fazer entender pelos que te rodeiam? Outras tantas sente frustração por não conseguir entender exatamente o que seu filho, sua companheira/companheiro ou ainda seu colega de trabalho também anseiam e como satisfazê-los em seus relacionamentos diários.

 

É interessante ver que estamos sempre ávidos por metodologias e ferramentas que:

– nos auxiliem a controlar os apegos e as compulsões do Ego;

– que nos ajudem a falar em público;

– que nos proporcione menos tempo de trabalho e mais tempo com a família;

– que nos deixem menos irritados e inquietos ou ainda;

– que nos ajudem a dormir melhor, perder peso ou não ter dores.

Falo mais sobre esse tema neste E-book Gratuíto.

 

Auto Percepção

 

Eu tenho percebido que um dos propósitos de muitas pessoas é obter controle, seja sobre si mesmas, com relação a algum vício ou defeito que as incomoda, como gula ou irritabilidade; seja sobre alguma pessoa de seu convívio, ou seja ainda sobre alguma situação, como gestão familiar ou profissional. E estes desejos podem ser conscientes ou inconscientes.

 

Quando paro para pensar na causa de alguma angústia, desalento ou desconforto emocional que sinto, reconheço que talvez esses sentimentos se originem da pretensão que tenho de ser competente em minhas tarefas diárias, fazendo com que eu passe muito tempo do meu dia me cobrando para agir de tal maneira com a fulana ou me culpando por ter agido daquela forma com o beltrano.

Talvez estas sensações ruins estejam relacionadas com a sede que a maioria das pessoas sente de entender a si próprias e se reconhecer melhor, libertando-se do seu Ego limitante e passando a ter maior controle sobre seus Padrões de Comportamentos.

Comportamentos viciosos

 

Podemos notar que, dentro do nosso íntimo, muitos dos pontos descritos nos parágrafos acima, se relacionam entre si como causa ou consequência um dos outros; devido à maneira mecânica, automática, repetitiva, inconsciente e até ¨previsível¨ de nossas atitudes e hábitos no dia-a-dia, com relação às pessoas de nossa convivência.

Mais interessante ainda é ver pesquisas e mais pesquisas científicas no campo do comportamento humano relatarem que mais de 90% de nossa conduta diária, expressa por atitudes e hábitos, são exercidas por nós de maneira instintiva, recorrente, maçante e até, inconsequente.

É provável que os estímulos externos e as situações de vida variem mas a minha reação a estas situações é, na maioria das vezes, de forma padronizada, dependendo:

> do meu perfil de personalidade;

> das ¨defesas¨ que eu adoto e;

> dos “papéis” que tenho que representar ao longo da jornada diária. Nesse artigo anterior aprofundo esta abordagem.

 

Dicas Autênticas

 

Dica número 1 – Recorra ao seu espelho, de preferência de corpo inteiro. Observe, calma e profundamente, sua constituição física, sua postura e os eventuais pontos de tensão – face, tórax, braços e mãos, abdome, quadril, membros inferiores.

Procure fazer uma analogia com as posturas e atitudes que mais têm adotado com as pessoas de seu convívio (pessoal e profissional).

Agora, preciso que você me ajude em duas coisas:

* A 1ª Faça um esforço físico, para corrigir a postura corporal – contraindo partes flácidas e “soltando” contraturas desnecessárias.

Como estão seus ombros? Trapézios? Cervical? Queixo pra cima ou pra baixo? Tórax? Para fora ou para dentro? Abdome? Percebe a contração automática quando você olha pra ele? Lombar? Hiperlordose? Glúteos? Contraídos? Flácidos? Joelhos? Para dentro ou pra fora?

* A 2ª Faça um esforço mental – lembrando-se de suas “maneiras” e reações ao longo do dia. Como você reage quando contrariado(a)? O objetivo é você estar com essas reações e expressões bem “marcadas” na cabeça; tentando se flagrar das atitudes viciosas, mecânicas e repetitivas, no momento em que as adota com alguém.

– Como você tem agido e reagido?

– Ou não age nem reage?

– O que passa pela sua cabeça, naquele instante em que você vai para o seu ponto de estresse, quando acontece alguma coisa que te desagrada ou quando alguém “pisa no seu calo”?

– Como você se expressa corporalmente naquele momento?

Lembre-se que, por tê-las repetido inúmeras vezes em nossa vida e de forma automática, a maioria dessas reações comportamentais são quase que inconscientes – não nos damos conta de como fica nosso corpo e nossas expressões nestas situações “estressantes” – daí a importância de criarmos o hábito de nos observar no espelho.

 

Assim, com a prática, você pode conseguir se perceber momentos antes da manifestação daquela atitude ou emoção inconsciente (e inconveniente) que te sequestra em algumas situações. A intensão aqui é prevenir aquela frustração que fatalmente nos abate sempre, depois que exercemos aquele “defeito”.

Dica número 2 – Se você tiver alguém de fé, que goste e confie e, se tiver uma dosesinha de humildade, peça a ele(a) que te dê um “toque” quando você, mecânica e reincidentemente, estiver de novo, “pisando na bola” ou “enfiando o pé na jaca”.

Essa pessoa pode também apenas te observar em uma situação de stress e “anotar” suas expressões e postura corporal; para depois te dar um feedback de como ela te percebeu naquela situação.

No livro Essência Renascida aprofundo este tema com ferramentas poderosas para melhorar seus relacionamentos intra e interpessoais.

 

Conclusão – Recursos para Controle de Comportamentos Viciosos

 

Não coloque seus relacionamentos em jogo. Tornar-se envolvente, cativante e interessado na melhoria contínua de sua manifestação para o mundo é um dever que você possui para com aqueles que convivem contigo.

Pequenas atitudes contínuas e diárias poderão te transformar em um conjunto de comportamentos saudáveis. Quando a vida se tornar difícil, recorra à sua Divina Essência que está no âmago do reflexo deste espelho, bem aí na sua frente. E se falhar no meio do caminho, não se preocupe, perdoe-se e transforme suas feridas em sabedoria.

Vá lá! Abra o seu coração – primeiro para você mesmo(a) – e comece a reescrever a Sua história. O equilíbrio começa quando você tem bem claro a consciência de todos os aspectos da sua personalidade.

 

E se você quiser aprender a gerar uma autoridade incontestável sobre as características do seu Ego, compreendendo seu padrão de comportamento e o perfil de personalidade das pessoas ao seu redor; com um conteúdo e um posicionamento únicos, através de uma metodologia 100% testada, eu tenho um convite para você.

Eu quero te convidar para o Workshop Essência Renascida, uma série gratuita de quatro vídeos (#com um bônus matador de stress) onde eu abordo importantes temas relacionados a como conquistar qualidade e bem estar em Sua vida.

Divida comigo sua opinião sobre o que conversamos hoje e partilhe este artigo com seus contatos.

 

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta